segunda-feira, 29 de maio de 2017

'MULHER-MARAVILHA': CONFIRA OS NOVOS CARTAZES IMAX DO LONGA

<>
Confira também o produtor falando da rejeição inicial a Gal Gadot para o papel e a polêmica do cinema que quis exibir o longa  em sessão somente para mulheres
<>

Faltando poucos dias para o primeiro filme solo da principal super heroína da DC Comics chegar aos cinemas brasileiros, foram divulgados novos cartazes  para salas de cinema IMAX do novo longa do Universo Estendido da DC Comics.

As artes trazem Robin Wright, Gal Gadot e Connie Nielsen em destaque.

Veja:


Warner Bros.

Agora, já não conseguindo controlar a ansiedade, até os fãs mais extremados da princesa amazona já aceitaram e se acostumaram com a ideia de Gal Gadot interpretar a poderosa heroína.

Mas nem sempre foi assim, como bem lembrou o produtor do filme, Charles Roven.

Em uma conversa com o Joblo sobre seu projeto mais recente, Roven falou sobre as críticas que o filme recebeu quando a atriz israelense foi escolhida para viver Diana, algo bem parecido com o que aconteceu com o elenco de 'O Cavaleiro das Trevas'.

“Oh não, foi uma repercussão terrível. Houve uma repercussão assim quando escolhemos Heath ledger como o Coringa, houve muitas críticas. O mesmo aconteceu quando fizemos  de Ben [Affleck] o novo Batman. Isso é outra coisa sobre o porquê você tem que levar em conta a opinião dos fãs mas nem tudo o que eles dizem, e existe muita opinião de fã. Você tem que ser cuidadoso, e no fim você tem que levar tudo isso em conta e ainda ter o seu próprio instinto sobre o que fazer”.

Por sorte depois da sua aparição espetacular em 'Batman Vs Superman'  (foi a melhor coisa do filme), os fãs logo perceberam que Gal Gadot era a escolha ideal para o papel.

Por fim, o longa nem estreou e já rendeu uma polêmica.

Pensando no crescente interesse das mulheres pelo assunto e como forma de aproximá-las ainda mais dessa cultura de emponderamento feminino, um cinema de Austin, no Texas, resolveu organizar uma sessão do primeiro filme solo da amazona fechada apenas para elas.

Entretanto, a atitude gerou uma desnecessária controvérsia que comprova, mais uma vez, que esse panorama ainda precisa  ser muito discutido, num mundo absolutamente machista.

Enquanto alguns internautas diziam que o evento possui 'tom discriminatório', outros exigiam 'uma sessão voltada apenas para o público masculino'.

Com muito jogo de cintura, o cinema que promoverá a exibição foi rebatendo cada um dos comentários preconceituosos e machistas em suas mídias sociais.

Apesar dos ataques e reclamações, a sessão já vendeu todos os seus ingressos e promete ser um sucesso.

O que os cabeças de ervilha que quiseram uma sessão voltada só para os homens ainda não se tocaram é que a Mulher-Maravilha é um dos maiores ícones femininos da cultura pop e que, dada a sua importância, foi coroada como embaixadora honorária da ONU.

Sua força e independência inspiraram milhares de garotas desde sua primeira aparição na revista All Star Comics #8, em dezembro de 1941, em plena Segunda Guerra Mundial.

O impacto da heroína na sociedade é muito simbólico, visto que o universo dos quadrinhos ainda é um ambiente voltado ao sexo masculino e a representação feminina ainda é muito falha, com personagens hipersexualizadas ou com pouca profundidade.

Relembre o trailer final:

Dirigido por Patty Jenkins (Monster - Desejo Assassino), 'Mulher-Maravilha' vai contar a história de Diana de Themyscira, princesa das Amazonas que se une ao piloto americano Steve Trevor (Chris Pine) para lutar em uma guerra (a Primeira Guerra Mundial) que está se espalhando pelo mundo.

Para a alegria – e o alívio – dos fãs da DC e da heroína, as primeiras avaliações feitas pela imprensa internacional são  extremamente positivas - a crítica do Blog de Klau, você confere  na quinta, 1º de junho, mesmo dia em que o filme chega aos cinemas do Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário